Notícias

[AS BÁRBARAS DO CENA E AS JOVENS HELIODORAS] A PAZ PERPÉTUA

Foto: Júnior Aragão
Foto: Júnior Aragão

{um olhar}

São tantas, tantas, tantas, tantas questões que talvez fosse mais coerente que eu latisse ao invés de falar. Talvez latindo, inclusive, eu fosse melhor compreendida, pois já partiríamos do pressuposto que você é quem preencheria os significados dos meus latidos, afinal, como saber o que estou dizendo? Acabará que o seu desejo de escutar o que quer é que recairá sobre o significado do nosso diálogo. E assim o é – mesmo sem latir. Diversas vezes, na vida em sociedade, as pessoas absolutamente esquecem disso: a comunicação não é apenas o que nós dizemos e basta. Ô… Se assim fosse… Teríamos uma sociedade fantasiosa de “Paz Perpétua”? A comunicação ocorre dentro de um processo complexo em que o outro ao escutar, completará a comunicação a partir do que ele entende sobre cada palavra dita. A comunicação é uma ilusão e os latidos deixam isto claro.

Eu já me peguei pensando diversas vezes numa das minhas percepções favoritas acerca do mundo: o quanto é possível, através das palavras, aprofundar-se no mundo de uma maneira infinita. Poucas situações me soam mais fascinantes do que descobrir uma outra simulação do protótipo humano que sou com um vocabulário refinado sobre um conjunto de elementos que eu vejo com total superficialidade. Quem vive algo com familiaridade não suporta nomear um objeto de contato contínuo sempre do mesmo jeito. É impossível. Ao olhar saltam as diferenças de textura, volume, cheiro, som e, assim, para o artista plástico ou para o vendedor de tintas não existe apenas “amarelo”, mas uma gama de definições totalmente relevantes. Assim como é para um militante da causa feminista, negra, artística, etc. diferenciar categoricamente que mesmo dentro de nossos grupos, partimos das mais variadas possibilidades de falas, trajetórias, etc. É defender a premissa da diferença.

Parecemos iguais, mas não somos. As narrativas são as mais distintas possíveis a depender do lugar onde nossas energias estão focadas. Deveríamos ser iguais, não somos tratados como iguais. Todas as vidas importam? Sim, mas nem todas as vidas são feitas para importar. Sendo assim, como escolher um ser humano? Que ser humano, gente? Qual? Onde vive? O que come? O que pensa? Teve ensino privilegiado à custa de R$ 18 mil reais o semestre? Dorme no colchão ou na rede? Come tapioca ou croissant? Tem músculos por conta do trabalho na alvenaria ou do exercício pago na academia de ginástica? Para que ele servirá? Para que o queremos?

O lugar de inquietação que Paz Perpétua me excita a ponto da cabeça explodir é justamente esse: ser humano não é, não pode e nem deve ser pautado por uma linha de igualdade. A conduta boa ou ruim é situacional. Queremos heróis e aspiramos o lugar deles! No entanto, também assistimos este mesmo herói da comunidade canina hoje destroçado numa cadeira de rodas, pagando o preço por nunca ter pulado fora? Sem esquecer dos heróis da comunidade humana que morrem em campos de batalha para defender uma nação por critérios políticos (sem esquecer até mesmo dos esportivos).

Essa linha imaginária da justiça que nos pautamos com as mais profundas reflexões históricas, filosóficas e sociológicas de tantos humanos que vieram antes de nós e deixaram livros registrados trata-se de mais um elemento inventado pelo ser humano.  É neste caminho que diante de situações limitantes e aflitivas, nós nos deparamos com a constatação de que “Para defender a lei, é preciso também matar a lei”.

E assim, eu aqui dizendo todas essas coisas que só podem ser minhas e de mais ninguém totalmente curiosa pelas coisas que dizem agora as dezenas de alunos do ensino médio que foram levados pela professora – vários deles no teatro pela primeira vez. Pois, para mim, o mérito que um espetáculo desses traz é despertar o ato de filosofar. Esse incessante perguntar-se sobre si, sobre o outro, sobre o próprio ato de perguntar, de duvidar, de respirar. É voltar pra casa pensando: “que respostas cada um aqui daria para: ‘Quem é o homem que te segura pela coleira’? ”.

Publicado em 19 de setembro de 2017