Programação

25/7 a 30/8
A Cia. Cielo RasO (Espanha) apresenta a proposta de remontagem do espetáculo “Jardín de Invierno” com bailarinos brasileiros. Para isso, o diretor Igor Calonge fará uma seleção no Distrito Federal para que profissionais locais tenham a possibilidade de...
16/8 a 21/8, 14h às 18h
A residência artística “Performance Ouvidoria” é um convite a artistas, estudantes e pesquisadores locais para criação de uma performance na qual pretende-se criar ambientes de escuta nos espaços públicos da cidade.
21/8, 21h
"Instabilidade Perpétua", solo baseado no livro homônimo do escritor Juliano Garcia Pessanha e interpretado por Soraya Ravenle, é composto por ensaios filosóficos, poéticos e historietas. Fala da necessidade de encontrar o espaço raro e desmobilizado...
21/8, 12h
Trabalho que faz um convite aos artistas, estudantes, professores, pesquisadores locais para a criação de uma performance que pretende criar ambientes de escuta nos espaços públicos da cidade.
22/8, às 19h
Seis histórias envolvendo pessoas espalhados no espaço e no tempo, pessoas ligadas pelo movimento, pelo desejo, pela falta ou pela incompreensão da própria experiência.
22/8, às 19h
Adaptação, para espetáculo solo de “Tartufo”, uma das mais famosas comédias de Molière. O espetáculo atualiza o olhar crítico do autor francês sobre a realidade, que expõe a sociedade contemporânea às interferências da religião
22/08, 21h
"Instabilidade Perpétua", solo baseado no livro homônimo do escritor Juliano Garcia Pessanha e interpretado por Soraya Ravenle, é composto por ensaios filosóficos, poéticos e historietas. Fala da necessidade de encontrar o espaço raro e desmobilizado...
22/8, 10h30
Espetáculo solo de Atawalpa Coello na pele de Inka Clown, um palhaço latino-americano que traz uma porção de surpresas em sua maleta.
22/8, 14h
Espetáculo baseado no improviso e na comunicação direta com o público. Chico Simões apresenta o palhaço Mateus da Lelé Bicuda, grande contador de histórias, morador da Volta Funda. Camelô, mágico, ventríloquo, mamulengueiro, brincante...
22/8, 18h30
Montagem que é resultado de pesquisa acadêmica integrada ao Programa de Pós-Graduação do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, desenvolvida pelo ator, palhaço, diretor e produtor Denis Camargo.
22/8, 19h às 22h
O workshop de “Produção Cultural” com empreendedor Max Maciel chega ao Cena Contemporânea como exemplo de gestão artística do DF, apresentando processo de empreendedorismo e fortalecimento das manifestações artísticas locais.
23/8, às 19h
Seis histórias envolvendo pessoas espalhados no espaço e no tempo, pessoas ligadas pelo movimento, pelo desejo, pela falta ou pela incompreensão da própria experiência.
23 e 24/8, 09h às 12h
UMA PERSPECTIVA DO ARTISTA EMPREENDEDOR DENTRO DA REGIÃO NORTE: A oficina pretende apresentar um rápido panorama dos grupos do Amazonas aos participantes, apontando as dificuldades enfrentadas pela  classe na atual conjuntura da cena local...
23/8 e 30/8, 19h às 21h
A oficina de crítica teatral, realizada pelo crítico, ator e jornalista Danilo Castro propõe uma série de reflexões: A opinião pode tudo? Crítica é uma questão de gosto? A oficina faz um resgate com marcos da Crítica de Artes Cênicas no Brasil.
23/8, às 19h
Adaptação, para espetáculo solo de “Tartufo”, uma das mais famosas comédias de Molière. O espetáculo atualiza o olhar crítico do autor francês sobre a realidade, que expõe a sociedade contemporânea às interferências da religião
23/8, às 20h
Em cena, um artista desdobra-se em seis depoimentos ficcionais de pessoas cadeirantes. Luciano Mallmann, autor e ator do espetáculo traz à luz uma reflexão acerca da fragilidade humana
23/8, às 20h
Duas atrizes compartilham em cena percepções e vivências que atravessam o universo feminino. Há algo de sagrado nas memórias de toda mulher onde as lembranças são como que bordadas a ponto cruz.
23/8, às 21h
Adaptação para a linguagem do teatro físico – tendo o corpo do ator como matéria prima para toda a encenação – de uma das mais celebradas comédias fantásticas de William Shakespeare. Em cena, quatro histórias que se cruzam
23/8, às 21h
"Lili Marlene" é um musical punk. Um anti musical que utiliza a performance e as novas tecnologias para falar das “tatuagens involuntárias da alma”. As marcas que adquirimos na vida e com as quais temos que aprender a conviver.
23/8, 13h
Espetáculo solo de Atawalpa Coello na pele de Inka Clown, um palhaço latino-americano que traz uma porção de surpresas em sua maleta.
23/08, 13h
Espetáculo baseado no improviso e na comunicação direta com o público. Chico Simões apresenta o palhaço Mateus da Lelé Bicuda, grande contador de histórias, morador da Volta Funda. Camelô, mágico, ventríloquo, mamulengueiro, brincante...
23/8, 14h
O colóquio reune a equipe de críticos do Cena Contemporânea de 2018 para um diálogo aberto ao público sobre o estado da crítica teatral na atualidade e suas diversas dimensões.
24/8, 19h
Um grupo de teatro de guerrilha conhecido como "Os Beatniks" decide abandonar os palcos e incorrer no mundo do cinema com uma adaptação do clássico de Alfred Hitchcock, "Psicose".
24/8, 20h
Em cena, um artista desdobra-se em seis depoimentos ficcionais de pessoas cadeirantes. Luciano Mallmann, autor e ator do espetáculo traz à luz uma reflexão acerca da fragilidade humana
24/8, 21h
"Lili Marlene" é um musical punk. Um anti musical que utiliza a performance e as novas tecnologias para falar das “tatuagens involuntárias da alma”. As marcas que adquirimos na vida e com as quais temos que aprender a conviver.
24/8, 20h
Um jogo poético que apresenta, em seu enredo, os percursos de duas mulheres, que por um infortúnio do destino molecular e das mutações das dimensões físicas, se deparam com a transitoriedade do espaço/tempo.
24/8, 21h
Espetáculo que reúne artistas que foram centro de polêmicas sobre liberdade de expressão, censura e os limites da arte em 2017. Wagner Schwartz, em sua performance ‘La Bête’, oferece seu corpo nu para ser movimentado pelo público.
24/8, 10h
A mesa irá debater a presença do corpo com deficiência no teatro, a normatividade socialmente construída e as possibilidades de emancipação para e através da criação teatral.
24/8, 14h
O fundamentalismo religioso não é uma novidade no mundo. Em 1664, a peça “Tartufo”, de Moliére, foi encenada pela primeira vez, e imeditamente censurada pelas cortes do rei Luis XIV, diretamente influenciada pela Igreja.
25/8, 19h
Um grupo de teatro de guerrilha conhecido como "Os Beatniks" decide abandonar os palcos e incorrer no mundo do cinema com uma adaptação do clássico de Alfred Hitchcock, "Psicose".
25/8, 19h
Construído a partir de um texto de grande qualidade poética, o espetáculo apresenta uma viagem familiar rumo às raízes. Édipo e Electra são irmãos que passaram a juventude no campo e que se reencontram na cidade em um momento decisivo: a morte da mãe.
25/8, 20h
Em cena, um artista desdobra-se em seis depoimentos ficcionais de pessoas cadeirantes. Luciano Mallmann, autor e ator do espetáculo traz à luz uma reflexão acerca da fragilidade humana
25/8, 20h
Um jogo poético que apresenta, em seu enredo, os percursos de duas mulheres, que por um infortúnio do destino molecular e das mutações das dimensões físicas, se deparam com a transitoriedade do espaço/tempo.
25/8, 21h
"Lili Marlene" é um musical punk. Um anti musical que utiliza a performance e as novas tecnologias para falar das “tatuagens involuntárias da alma”. As marcas que adquirimos na vida e com as quais temos que aprender a conviver.
25/8, 21h
Espetáculo que reúne artistas que foram centro de polêmicas sobre liberdade de expressão, censura e os limites da arte em 2017. Wagner Schwartz, em sua performance ‘La Bête’, oferece seu corpo nu para ser movimentado pelo público.
25/8, 21h
Após a morte de seu companheiro, o publicitário Tom vai à fazenda da família do falecido para o funeral. Ao chegar, descobre que a sogra nunca tinha ouvido falar dele e nem sabia que o filho era gay.
25/8, 15h
O coreógrafo Wagner Schwartz lança seu livro “Nunca Juntos Mas ao Mesmo Tempo” pela editora Nós. Schwartz convida Béatrice Houplain para criar a voz de sua personagem, Adeline, em francês - uma forma encontrada por ele para conceber uma linguagem outra.
25/8, 14h
O Cena Contemporânea recebe estudantes da Escola Estadual Cândido Ulhoa, da cidade de Bonfinópolis (MG). A Atividade tem como objetivo mediar o contato entre os jovens e a linguagem teatral, ratificando nossa política de formação de plateia.
26/8, 11h e 17h
Resultado de três anos de pesquisas, o nono musical da Banda Mirim leva para a cena a história do jovem príncipe Sidarta Gautama, que há 2.500 anos abandonou os luxos do palácio, aventurou-se pelo mundo real
26/8, 19h
Construído a partir de um texto de grande qualidade poética, o espetáculo apresenta uma viagem familiar rumo às raízes. Édipo e Electra são irmãos que passaram a juventude no campo e que se reencontram na cidade em um momento decisivo: a morte da mãe.
26/8, 20h
Duas atrizes compartilham em cena percepções e vivências que atravessam o universo feminino. Há algo de sagrado nas memórias de toda mulher onde as lembranças são como que bordadas a ponto cruz.
26/8, 21h
Em cena, um artista desdobra-se em seis depoimentos ficcionais de pessoas cadeirantes. Luciano Mallmann, autor e ator do espetáculo traz à luz uma reflexão acerca da fragilidade humana
26/8, 10h
Espetáculo solo de Atawalpa Coello na pele de Inka Clown, um palhaço latino-americano que traz uma porção de surpresas em sua maleta.
26/8, 21h
Após a morte de seu companheiro, o publicitário Tom vai à fazenda da família do falecido para o funeral. Ao chegar, descobre que a sogra nunca tinha ouvido falar dele e nem sabia que o filho era gay.
26/8, 17h
O espetáculo “Tom na Fazenda” acumula prêmios em diversas categorias, com mais de 100 apresentações, já foi assistido por mais de 11 mil pessoas. A lama das mentiras toma cena, evidenciando as dores das relações atravessadas pela homofobia.
26/8, 12h
Espetáculo baseado no improviso e na comunicação direta com o público. Chico Simões apresenta o palhaço Mateus da Lelé Bicuda, grande contador de histórias, morador da Volta Funda. Camelô, mágico, ventríloquo, mamulengueiro, brincante...
27 a 30/8, 9h às 13h
A oficina que será ministrada pelo diretor e autor Ricardo Behrems (Argentina), apresenta conceitos básicos da improvisação teatral contemporânea, trazendo estruturas do método Johnstone y Gravel-Ledus e desenvolvendo jogos cênicos do improviso.
27/8, 19h30
Montagem que é resultado de pesquisa acadêmica integrada ao Programa de Pós-Graduação do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, desenvolvida pelo ator, palhaço, diretor e produtor Denis Camargo.
27/8, 14h às 16h
O objetivo da conferência é aproximar o ouvinte do distribuidor (produtor e difusor) de sua obra na cadeia de dinamização de projetos em artes cênicas
27/8, 21h
Um projeto de dramaturgia plural. A partitura foi livremente inspirada no romance de Ingmar Bergman "Confissões Privadas", levado à tela em 1996, sob direção de Liv Ullmann.
28/8, 19h
Livremente inspirado em “Hamlet”, de Shakespeare. A trama original funciona como um alicerce, mas é da realidade contemporânea brasileira que se está falando. Segundo espetáculo de uma trilogia iniciada pela companhia pernambucana
28/8, 20h (Ato III)
Espetáculo que dá continuidade a uma pesquisa iniciada pelo grupo em 2011, com os Atos I e II, baseados em textos de Plínio Marcos. Os Atos III e IV apresentam dramaturgias autorais e inéditas
28/8, 19h30
Montagem que é resultado de pesquisa acadêmica integrada ao Programa de Pós-Graduação do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, desenvolvida pelo ator, palhaço, diretor e produtor Denis Camargo.
28/8, 9h
Espetáculo baseado no improviso e na comunicação direta com o público. Chico Simões apresenta o palhaço Mateus da Lelé Bicuda, grande contador de histórias, morador da Volta Funda. Camelô, mágico, ventríloquo, mamulengueiro, brincante...
28/8 a 31/8, 9h às 12h
A oficina, aplicada por Iva Horvat (Croácia), propõe reflexões sobre como internacionalizar um projeto teatral no mercado de artes cênicas, com foco nas estratégias de distribuição de obras, meios de visibilidade, ações de networking, plano de organização
28/8, 14h às 16h
O Celeiro das antas é uma das companhias mais importantes do cenário teatral de Brasília, cuja origem está ligada à tradição da palhaçaria.
28/8, 19h às 21h
Luz e cor nos conduzem na percepção do mundo desde o primeiro abrir dos olhos. Percebê-los como instrumento artístico nos remove do papel de espectador e nos transporta ao universo de criador.
28/8, 21h
Um projeto de dramaturgia plural. A partitura foi livremente inspirada no romance de Ingmar Bergman "Confissões Privadas", levado à tela em 1996, sob direção de Liv Ullmann.
29/8, 21h
‘Capacetes-Azuis’ é o nome pelo qual são conhecidas as tropas multinacionais que servem às Forças de Paz da Organização das Nações Unidas. Criadas em 1947 para atuar em zonas de conflito em vários pontos do planeta
29/8, 19h
Livremente inspirado em “Hamlet”, de Shakespeare. A trama original funciona como um alicerce, mas é da realidade contemporânea brasileira que se está falando. Segundo espetáculo de uma trilogia iniciada pela companhia pernambucana
29/8, 20h (Ato IV)
Espetáculo que dá continuidade a uma pesquisa iniciada pelo grupo em 2011, com os Atos I e II, baseados em textos de Plínio Marcos. Os Atos III e IV apresentam dramaturgias autorais e inéditas
29/8, 20h
O que a democracia significa hoje no México para cerca de 50 milhões de pessoas que vivem com o salário mínimo? A economia condiciona a maneira como experimentamos a política e as expectativas que temos.
29/8, 20h
Versão brasiliense da obra “Clôture de l”Amour”, vencedora do francês Grand Prix de Littérature Dramatique em 2012 e já encenada em diversos países. Dentro de uma grande sala, uma mulher e um homem conversam.
29/8, 14h30
Espetáculo baseado no improviso e na comunicação direta com o público. Chico Simões apresenta o palhaço Mateus da Lelé Bicuda, grande contador de histórias, morador da Volta Funda. Camelô, mágico, ventríloquo, mamulengueiro, brincante...
30/8, 20h
O que a democracia significa hoje no México para cerca de 50 milhões de pessoas que vivem com o salário mínimo? A economia condiciona a maneira como experimentamos a política e as expectativas que temos.
30/8, 20h
Espetáculo vencedor do festival CÉU – Cena Universitária Nacional de Brasília 2017. A obra reflete sobre a percepção e reformulação do corpo como coletivo/organismo/integrado, dentro de um todo.
30/8, 21h
Pessoas cavando seu próprio fim serão como pessoas cavando o fim. Passo a passo, um coletivo arranha um percurso adiante. Sempre adiante, desorientam pactos de convivência e, ainda assim, permanecem como grupo, comunidade, tribo, sociedade...
30/8, 21h
‘Capacetes-Azuis’ é o nome pelo qual são conhecidas as tropas multinacionais que servem às Forças de Paz da Organização das Nações Unidas. Criadas em 1947 para atuar em zonas de conflito em vários pontos do planeta
30/8, 14h às 16h
O espetáculo “Autopsia III” coloca em cena a realidade do cárcere no Brasil. Atualmente, O Brasil detém a terceira maior população carcerária do mundo, sendo que 40% dessas pessoas sequer foram julgadas
31/8 e 1/9, 9h às 13h
A oficina de “Viewpoints” tem como objetivo aproximar os participantes de uma técnica de improvisação que permita trabalhar com a ferramentas de tempo e espaço, desenvolvendo a atenção dirigida por estímulos externos e ações internas do intérprete...
31/8, 19h (Ato III e IV)
Espetáculo que dá continuidade a uma pesquisa iniciada pelo grupo em 2011, com os Atos I e II, baseados em textos de Plínio Marcos. Os Atos III e IV apresentam dramaturgias autorais e inéditas
31/8, 19h
Espetáculo vencedor do festival CÉU – Cena Universitária Nacional de Brasília 2017. A obra reflete sobre a percepção e reformulação do corpo como coletivo/organismo/integrado, dentro de um todo.
31/8, 20h
O que a democracia significa hoje no México para cerca de 50 milhões de pessoas que vivem com o salário mínimo? A economia condiciona a maneira como experimentamos a política e as expectativas que temos.
31/8, 20h
Resultado do processo de um ano de investigação interdisciplinar, o espetáculo procura aprofundar os universos propostos pelas obras de Shakespeare, gerando uma nova experiência construída com dramaturgia ao vivo.
31/08, 21h
Versão brasiliense da obra “Clôture de l”Amour”, vencedora do francês Grand Prix de Littérature Dramatique em 2012 e já encenada em diversos países. Dentro de uma grande sala, uma mulher e um homem conversam.
31/8, 21h
Pessoas cavando seu próprio fim serão como pessoas cavando o fim. Passo a passo, um coletivo arranha um percurso adiante. Sempre adiante, desorientam pactos de convivência e, ainda assim, permanecem como grupo, comunidade, tribo, sociedade...
31/08 e 01/09, 10h às 13h
A oficina “Laboratório de Criação”, ministrada pelo diretor Antonio Altamiro (CHILE) tem como objetivo analisar teorias e técnicas de diretores e diretoras latino-americanos contemporâneos e trabalhar projetos pessoais de direção dos participantes.
1/9, 17h
Espetáculo criado para crianças a partir de três anos de idade. A biografia da jovem paquistanesa Malala, baleada pelo Taleban quando voltava de ônibus da escola e premiada com o Nobel da Paz, inspirou uma história
1/9, 20h
O espetáculo funde, em um espaço de palco único, a animação de imagens e a interpretação de um elenco de sete atores e atrizes para provocar a imersão no mundo interior de uma violinista, ALICIA.
1/9, 19h
Livre adaptação da obra “As Criadas”, de Jean Genet, o espetáculo vai encontrar as criadas Claire e Solange na minúscula e degradante casa onde vivem e penetrar em sua intimidade. Saudada pela crítica pela grande sensibilidade
1/9, 19h
Resultado do processo de um ano de investigação interdisciplinar, o espetáculo procura aprofundar os universos propostos pelas obras de Shakespeare, gerando uma nova experiência construída com dramaturgia ao vivo.
1/9, 20h
Espetáculo vencedor do festival CÉU – Cena Universitária Nacional de Brasília 2017. A obra reflete sobre a percepção e reformulação do corpo como coletivo/organismo/integrado, dentro de um todo.
1/9, 21h
Há gritos de pânico, de alegria, de castigo, de encorajamento, de alarme, de advertência, de prazer, de dor. E é aí que há o silêncio que serve de inspiração para cada um desses gritos. Bem-vindo ao teatro.
1/9, 21h
O que a democracia significa hoje no México para cerca de 50 milhões de pessoas que vivem com o salário mínimo? A economia condiciona a maneira como experimentamos a política e as expectativas que temos.
2/9, 17h
Espetáculo criado para crianças a partir de três anos de idade. A biografia da jovem paquistanesa Malala, baleada pelo Taleban quando voltava de ônibus da escola e premiada com o Nobel da Paz, inspirou uma história
2/9, 20h
O espetáculo funde, em um espaço de palco único, a animação de imagens e a interpretação de um elenco de sete atores e atrizes para provocar a imersão no mundo interior de uma violinista, ALICIA.
2/9, 19h
Livre adaptação da obra “As Criadas”, de Jean Genet, o espetáculo vai encontrar as criadas Claire e Solange na minúscula e degradante casa onde vivem e penetrar em sua intimidade. Saudada pela crítica pela grande sensibilidade
2/9, 19h
Resultado do processo de um ano de investigação interdisciplinar, o espetáculo procura aprofundar os universos propostos pelas obras de Shakespeare, gerando uma nova experiência construída com dramaturgia ao vivo.
2/9, 20h
Adaptação para a linguagem do teatro físico – tendo o corpo do ator como matéria prima para toda a encenação – de uma das mais celebradas comédias fantásticas de William Shakespeare. Em cena, quatro histórias que se cruzam
2/9, 20h
Espetáculo vencedor do festival CÉU – Cena Universitária Nacional de Brasília 2017. A obra reflete sobre a percepção e reformulação do corpo como coletivo/organismo/integrado, dentro de um todo.
2/9, 21h
Há gritos de pânico, de alegria, de castigo, de encorajamento, de alarme, de advertência, de prazer, de dor. E é aí que há o silêncio que serve de inspiração para cada um desses gritos. Bem-vindo ao teatro.
2/9, 21h
O que a democracia significa hoje no México para cerca de 50 milhões de pessoas que vivem com o salário mínimo? A economia condiciona a maneira como experimentamos a política e as expectativas que temos.